Publicada em 15/02/2017 às 21:48

Comente


Conheça adaptações cinematográficas baseadas na vida de filósofos

 
Ao longo da história do cinema foram lançados inúmeros filmes de cunho reflexivo e que podem, de alguma forma, serem relacionados com a filosofia. Assim, não é muito raro encontrarmos listas que ofereçam títulos que estimulem o espectador a pensar sobre realidade, política, existência, sociedade, e até mesmo sobre si próprio.
 
Porém, além destes filmes de cunho reflexivo, embora tenham obtido pouco destaque e se ocultado da indústria comercial, há também alguns longas-metragens que se basearam diretamente na vida e na obra de alguns dos maiores pensadores que já existiram. Eles foram responsáveis por escrever capítulos fundamentais da filosofia.
 
O Cinema10 então oferece aos leitores uma lista com esta temática, cujos filmes aqui selecionados se tornam verdadeiros convites à apreciação de certas personalidades e também à própria filosofia.

Santo Agostinho


Retrato de um dos mais importantes filósofos da Patrística. O foco das reflexões de Agostinho de Hipona centrava-se em aspectos religiosos e, portanto, este referido aspecto se torna também pano de fundo do longa.
 
A produção merece destaque por carregar notável realismo histórico, e por possuir um roteiro qualificado e arquitetado com base no legado do filósofo. Além disso, há de se destacar a excelente condução do diretor Roberto Rossellini.

Descartes


Um filme maravilhoso, embora possa seja um pouco maçante pela complexidade da temática e pela longa duração (mais de duas horas). Consiste numa biografia que acompanha a vida de René Descartes desde antes de seu envolvimento direto com a filosofia.
 
O capricho técnico e a riqueza de detalhes são incríveis, e são frutos do talento de Rossellini. Conta-se que o filósofo era dorminhoco e costumava acordar por volta de 12h. Incrivelmente, há uma cena que mostra este fato.
 
Outro ponto de acerto é que o ator que interpreta o protagonista é semelhante aos retratos que existem representando Descartes. E claro, há de se mencionar o potencial do texto que estrutura a história que, evidentemente, é baseado em estudos concisos da filosofia cartesiana.

Sócrates


Este filme é uma verdadeira preciosidade cinematográfica que leva o espectador a viajar pela Grécia Antiga e pela mente de um dos maiores gênios da humanidade. Há excelentes representações do “método socrático”, além de um possuir um valioso e emocionante retrato da acusação, condenação e morte de Sócrates.
 
Os diálogos são inspirados nas obras platônicas e muito bem expressos por Jean Sylvère, que fez o papel do filósofo protagonista. O filme fecha com chave de ouro em sua retratação fiel às obras platônicas, pois, conforme descrito no Fédon, a última fala de Sócrates (que é de arrepiar) é: “Devemos um galo a Asclépio. Não se esqueça” (dirigida para Críton). Mais um presente deixado pelo mestre Roberto Rossellini!

Blaise Pascal

 
A trajetória de Pascal é transcrita de maneira imensamente intrigante, tal qual é a obra filosófica deste grande pensador. O filme começa mostrando o filósofo com 17 anos, e termina com sua morte.
 
O valor naturalista munido ao forte elenco, são os pontos mais positivos deste longa. Trata-se de um verdadeiro convite ao pensamento de Pascal.

Os Amantes do Café Flore

 
Um filme belíssimo que narra poeticamente a vida de Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir, dois dos maiores pensadores contemporâneos. A história explora partes das filosofias de ambos, oferecendo excelentes respaldos sobre feminismo e existencialismo.
 
Ele apresenta um enfoque no relacionamento singular que os dois nutriram durante grande parte de suas vidas, mostrando o momento em que se conheceram em 1929. Além das posteriores desavenças e um “vai e vem” que fez parta da relação real do casal.

Quando Nietzsche Chorou

 
Este longa, apesar de abordar dados biográficos e filosóficos a respeito de Nietzsche, possui outros enforques e também outros personagens históricos, tais como Sigmund Freud. Uma pena que exista esta mistura.
 
De qualquer forma, trata-se de um filme cuja totalidade é positivamente agradável. Há uma cena espetacular na qual o pensador alemão expõe sua filosofia sobre o “Eterno Retorno”, uma de suas temáticas de maior relevância. Esta referida passagem se torna tão encantadora quanto o texto ao qual ela se refere.
 

Espinoza: O Apóstolo da Razão

 
Uma trama linda e caprichada na qual Esponiza assume o posto principal. Um “filme brilhante e grandioso” para uma mente de igual vigor. É interessante acompanhar a formação e desenvolvimento intelectual do pensador. Um verdadeiro presente para os espectadores que apreciam momentos de reflexão.

Em Nome de Deus

 
Filme trágico baseado no romance entre o filósofo Abelardo e a jovem Heloísa. Este pensador obteve enorme reconhecimento na época em que viveu e também na posteridade, especialmente por seus escritos sobre Lógica. Apaixonou-se perdidamente por Heloísa, e este romance rendeu-lhe uma condenação dramática: certa noite, enquanto dormia, um grupo de homens entrou em seu quarto e o castrou. 
 
Sim, a trama mostra esta ocorrência, além de abordar também todo o envolvimento entre o casal, desde o momento em que se conheceram. Há algumas partes baseadas em relatos reais de Abelardo, mas estas cenas também se misturam com ficções que não fazem parte dos registros do pensador.

Giordano Bruno

 
Uma fascinante viagem pela vida deste pensador que foi condenado pela Inquisição. Giordano Bruno foi mais um filósofo incompreendido por seus contemporâneos, mais uma mente inadequada aos moldes de seu tempo. Esta genialidade inusitada do filósofo conduz os rumos da narrativa do filme, que aborda os principais momentos (dos quais se tem conhecimento) da vida do pensador.
 
 
Por Juliana Vannucchi

Mais matérias...

Comentários (0)

Deixar um comentário


Nenhum comentário, ainda. Seja o primeiro a comentar!