Publicada em 01/04/2017 às 11:00

Comente


Veja alguns casos bizarros de "whitewashing"

A palavra "whitewashing" pode ser traduzida livremente como "embranquecer" e se refere ao fato de que Hollywwod escolhe muitos atores e atrizes brancos para interpretar personagens afrodescendentes, asiáticos, indianos, árabes, etc. Isso sem falar na famigerada "black face", quando atores brancos eram os únicos que podiam aparecer em filmes e pintava o rosto com tinta preta para interpretar personagens estereotipados afrodescendentes. 
 
Com a estreia de Vigilante do Amanhã - Ghost in the Shell no dia 30 de março, volta à tona a discussão sobre o assunto. Baseado em um mangá japonês, o filme tem a loira Scarlett Johansson no papel principal, que seria de uma personagem japonesa. 
 
scarlett
 
Outra polêmica surgiu em torno da adaptação do mangá Death Note, pela Netflix, que também traz personagens tradicionalmente japoneses sendo formatados e interpretados por atores ocidentais, brancos e americanos. Em Doutor Estranho, a escocesa Tilda Swinton interpreta um personagem que é originalmente tibetano. 
 
Há diversos casos em que Hollywood parece ter ido longe demais, usando a "liberdade artística" para tornar seus personagens mais brancos e ocidentais. Veja alguns exemplos:

Allison Ng - Aloha (2015)

Aloha
 
Supostamente o público deveria acreditar que a atriz Emma Stone tem algo de chinesa e havaiana neste filme. Mas não importa, o longa foi massacrado pelos críticos por outros problemas e fracassou nas bilheterias. 

Dastan - Princípe da Pérsia (2010)

Princípe da Persia
 
Jake Gyllenhaal interpreta o princípe da Pérsia. De ascendência sueca, o ator passou vergonha nesta adaptação de um videogame que também se deu mal com críticos e bilheteria. 

O Último Mestre do Ar (2010)

Ultimo Mestre do Ar
 
Baseado em uma série de TV de animação, o filme colocou nos papeis de Katara, Aang, Zuko e Sokahe atores brancos, mas deixou os vilões com atores de fisionomia asiática. Justiça seja feita: o filme fracassou comercialmente e com a crítica. 

Tony Mendes - Argo (2012)

Argo
 
Vencedor do Oscar de Melhor Filme, Argo conta a história real de um resgate de americanos em Teerã, capital iraniana, feito com a invenção de que uma produção hollywoodiana acontecia no país. Ben Affleck caprichou no Grecin 2000, mas ninguém engoliu muito bem ele (descendentes de irlandeses) interpretando um descendente de mexicanos.

I.Y. Yunioshi – Bonequinha de Luxo (1961)

Mickey Rooney
 
Um dos exemplos mais tristes da lista, de uma época onde isso ainda era aceitável. Mickey Rooney, branco de ascendência irlandesa, usou maquiagem pesada e dentes postiços para interpretar uma caricatura grotesca dos japoneses. O diretor Blake Edwards admitiu anos depois que teria feito diferente. 

Miguel Vargas - Marca da Maldade

Marca da Maldade
 
Charlton Heston, americano de ascendência escocesa, interpretou um policial mexicano neste filme. Apesar do filme ser um clássico do suspense, a pesada maquiagem de Heston, que mudava de tom a cada cena, é constrangedora. 

Genghis Khan – Sangue de Bárbaros (1956)

John Wayne
 
Então. Difícil, né? John Wayne, descendentes de irlandeses, o mais americano dos atores americanos, tinha quase 2 mertos de altura, olhos azuis, cabelos castanho-claros e pele clara. Mesmo assim acharam uma boa ideia ele interpretar o mongol Genghis Khan, com maquiagem que parece saída de uma festa à fantasia. 
 
Por Fabíola Cunha

Mais matérias...

Comentários (0)

Deixar um comentário


Nenhum comentário, ainda. Seja o primeiro a comentar!