Melancolia

Publicada em 19/09/2011 às 14:13

Comente



Apesar do elenco, apesar da polêmica causada sobre o controverso diretor, apesar de o nome do filme vir sempre inserido na polêmica e, por isso, ter-se tornado incrivelmente conhecido pelo público em geral, Melancolia não é a melhor das obras de von Trier. Isso é apenas um alerta para aqueles que rumarão (ou rumaram) para o cinema pela estrada das polêmicas da mídia sensacionalista. Melancolia é uma obra de arte apocalíptica, profunda, bela e grandiosa, ligada a todas as facetas cinematográficas possíveis, englobando a magia do movimento do primeiro cinema, perpassando pelas influências freudianas e desembocando nas grandes produções contemporâneas.

Com um elenco recheado de grandes nomes, de talento inegável, o longa se desvela por entre interpretações impecáveis. Mesmo a insossa Kirsten Dunst ganha profundidade e se mostra (enfim!) talentosa nas mãos de Lars. Charlotte Gainsbourg, que já havia trabalhado anteriormente com o diretor, incorpora um papel quase oposto ao de outrora e supera facilmente Kirsten, sujeitando-nos às partes mais melancólicas do longa. Os demais atores contribuem cada qual com sua máxima, porém sutil perfeição a essa sinfonia visual.

É fato que nada do que eu disse acima teria o peso que teve caso o filme não fosse dotado de tão louvável trilha, capaz de arrebatar qualquer espectador, mesmo aquele que não simpatizou com o roteiro de Lars. Os mais curiosos, que resistiram até o final dos créditos, ou aqueles mais doutos em música, puderam desfrutar da consciência de estarem perante o prelúdio da ópera Tristão e Isolda, de Richard Wagner.

Melancolia não é uma obra popular, não se mostra para todos e, assim como todas as obras do diretor, não é para qualquer gosto. Exige paciência, reflexão e percepção afiada. Não deve ser julgada com os mesmos olhos do dia-a-dia, da mesma forma que não se aprecia um Van Gogh com olhos de quem assiste à novela das oito. Do mesmo modo, como ocorre em todas as artes, o cinema também tem seus autores pouco populares e, sendo assim, não estamos diante de mera questão de gosto, mas, sim, de uma questão de saber se prostrar perante uma nova obra assumidamente distinta do comum.

Saiba mais sobre o filme Melancolia.

Por Laísa Trojaike

Comentários (4)





Tony comentou: 2 horas de pura monotonia '--
Nota
Responder

Simone comentou: Achei o filme chato e monótono, mas valeu pela atuação Kirsten Dunst que está muito bem no filme. Achei que o ator Alexander Skarsgard foi muito mal aproveitado no filme. Nota
Responder

Quresma comentou: Um aviso: ainda não vi o filme, por isso a nota foi essa, estou aqui pra falar da crítica.
Ao autor da crítica: você escreve lindamente, mas não fez uma crítica verdadeira ao filme, não tocou no seu enredo para que possamos entender a sua visão da história, só elogiou as partes técnicas (e fez isso muito bem), mas o que esperamos é uma crítica ao filme, e, como qualquer outro filme de Lars von Trier, já sabemos que precisamos de uma boa percepção para entende-lo.
Obs.: Sim, a Kristen Dunst é sim uma atriz talentosa, (veja os filmes A Duquesa e Tudo Acontece em Elizabethtown), se já viu, então é uma questão de gosto e identificação.
Nota
Responder

Fran comentou: Definitivamente não é um filme pra todo mundo, eu que busco com filmes apenas 1 entretenimento, sofri com esse filme, toda a história dele em seus longos e enfadonhos 130min.[uma luta chegar até o fim]
Resumiria a história do filme em no máximo 30min, pra mim só valeu os minutos finais que são muito bonitos.
Aqueles que não ligam pra iluminação,som,ou coisas pseudo-cult nem se arrisquem, podem morrer de tédio.
Nota
Responder