Chefão da Fórmula 1 se emociona com Rush - No Limite da Emoção

Publicada em 22/08/2013

Comente


“Bernie me disse ‘obrigada por fazer este filme”, conta o diretor Ron Howard
 
O chefão da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, ficou muito satisfeito com a maneira com que o esporte é retratado em RUSH – NO LIMITE DA EMOÇÃO. Pioneiro na prática de venda de direitos televisivos das corridas, desse a década de 1970, Ecclestone é o presidente e CEO da Formula One Management (FOM) e da Formula One Administration (FOA) e maior acionista da Alpha Prema, a matriz das companhias que gerenciam a Fórmula 1, o que o torna a autoridade máxima em termos da categoria.
 
“Bernie me disse ‘obrigada por fazer este filme’”, Howard contou ao site oficial da Fórmula 1, “ele ficou muito emocionado, e foi muito generoso com o projeto, e comigo”.
 
Ron Howard, duas vezes ganhador do Oscar© (Uma Mente Brilhante, O Código DaVinci), une-se novamente ao premiado roteirista Peter Morgan (Frost/Nixon, A Rainha), em RUSH – NO LIMITE DA EMOÇÃO, uma espetacular recriação da cruel rivalidade entre os pilotos James Hunt e Niki Lauda na Fórmula 1 dos anos 1970. Filmado em locações no Reino Unido, Alemanha e Áustria, será distribuído no Brasil pela California Filmes com previsão de estreia mundial em setembro de 2013.
 
Situado na espetacular, sexy e glamorosa era dourada da Fórmula 1, RUSH – NO LIMITE DA EMOÇÃO narra a emocionante história de dois dos maiores rivais que o mundo já viu: o bonitão playboy inglês James Hunt (Chris Hemsworth) e seu metódico e brilhante oponente austríaco, Niki Lauda (Daniel Brühl), cujos embates nas pistas sintetizaram o contraste entre duas personalidades extraordinárias, uma distinção que refletia também em suas vidas privadas. Acompanhando a trajetória deles dentro e fora das pistas, RUSH – NO LIMITE DA EMOÇÃO observa os dois pilotos enquanto eles se esforçam para atingir a máxima resistência física e psicológica, onde não há atalho para a vitória, nem margem para erros. Se cometer um erro, você morre. 
 
Detalhando a temporada de 1976, quando Lauda havia vencido cinco provas e liderava o Mundial de Fórmula 1 com folga, até ter problemas na suspensão de sua Ferrari e chocar-se contra o muro em Nurburgring. O piloto ficou preso no cockpit enquanto o carro pegava fogo e sofreu graves queimaduras no rosto, além de inalar gases tóxicos. Símbolo de superação, Lauda teve uma recuperação incrível e ficou fora do campeonato por apenas duas corridas. Ele voltou às pistas já no GP da Itália, ainda usando bandagens no rosto, mas viu James Hunt se aproximar na classificação. Dali para frente, os dois brigaram prova à prova pelo título, em uma das temporadas mais emocionantes de todos os tempos. No final, foi Hunt quem saiu vitorioso e se sagrou campeão, mas com apenas um ponto de vantagem sobre Lauda.
 
“Lauda e Hunt eram astros do rock nas pistas: dois profissionais no topo de suas carreiras, numa época em que sexo era seguro, dirigir era perigoso e tudo era liberado”, diz o diretor Ron Howard. “Eles eram complicados também, homens fascinantes e rivais naturais. RUSH – NO LIMITE DA EMOÇÃO será tanto sobre essa rivalidade pessoal quanto a emoção das corridas”.
 
Em vias de se tornar um épico de ação e suspense, RUSH é protagonizado por Chris Hemsworth (Os Vingadores), no papel do carismático James Hunt, e por Daniel Brühl (Bastardos Inglórios) como o disciplinado e perfeccionista Niki Lauda. Também estão no elenco Olivia Wilde (TRON: O Legado) e Alexandra Maria Lara (O Leitor). RUSH – NO LIMITE DA EMOÇÃO é produzido por Andrew Eaton (O Preço da Coragem), Eric Fellner (Senna, O Espião que Sabia Demais), Ron Howard, o ganhador do Oscar© Brian Grazer (Apollo 13 – Do Desastre ao Triunfo, Uma Mente Brilhante), Peter Morgan e Brian Oliver (Cisne Negro), e traz a trilha sonora assinada pelo também premiado Hans Zimmer.
 
 
As informações são da California Filmes.
 
Por Rosa Felix

Comentários (0)

Deixar um comentário


Nenhum comentário, ainda. Seja o primeiro a comentar!