Entrevista: Wade Eastwood, coordenador de dublês das franquias Jack Reacher e Missão Impossível

Publicada em 28/03/2017

Comente

 
Com quase 70 filmes no currículo, Wade Eastwood já trabalhou como dublê e coordenador de dublês em grandes produções como A Origem, Salt, Guerra Mundial Z e 007 Contra Spectre
 
Uma parceria que tem se mostrado um grande sucesso é com o astro Tom Cruise. Juntos, eles trabalharam em No Limite do Amanhã, Missão Impossível - Nação Secreta, Jack Reacher: Sem Retorno e A Múmia. Este último estreia no Brasil em 8 de junho.
 
O Cinema10 conversou com Eastwood por telefone e ele comentou a experiência em Jack Reacher: Sem Retorno, que chega às lojas brasileiras em Blu-ray e DVD nesta quarta (29/03). Além disso, o coordenador de dublês fala da parceria certeira com Cruise. Confira!
 
 
Wade, você pode explicar como funciona o processo de criação das cenas de ação?
 
Eu recebo um esboço do roteiro para entender como será a jornada do personagem e meu envolvimento consiste em criar cenas de ação únicas. No caso de Jack Reacher: Sem Retorno trabalhei muito próximo do diretor [Edward Zwick] e de Tom Cruise. Juntos tentamos criar as cenas, fazendo a ação se encaixar na história.
 
Você começou a trabalhar com Tom Cruise como coordenador de dublês em No Limite do Amanhã. Em Jack Reacher: Sem Retorno você também ficou encarregado da função de diretor de segunda unidade. Foi muito diferente dirigi-lo?
 
Não. É basicamente o mesmo trabalho. Como eu crio a maioria das cenas de ação faz mais sentido eu também dirigi-las. Isso na verdade ajuda e muito a eu ter mais controle do ambiente e das sequências que estamos filmando, garantindo a segurança e a certeza de que tudo vai sair como planejado.
 
Quanto tempo levou para preparar Tom Cruise para as cenas de ação em Jack Reacher: Sem Retorno? 
 
Como eu tenho trabalhado bastante com o Tom, a verdade é que na nossa colaboração há mais uma continuidade e atualização do treinamento. Não tivemos de começar do zero. A diferença entre os outros filmes que ele faz e Jack Reacher é que Jack Reacher traz um estilo bem específico de ação e de luta.
 
O personagem não é igual a Ethan Hunt de Missão Impossível, por exemplo. O nosso trabalho é criar um estilo bem característico para Reacher, levando em conta também o que está no livro em que o filme se baseia. Além disso, a ação precisa se alinhar com a história. O estilo de luta tem de se alinhar com o humor e a personalidade de Reacher.
 
                                                                                    Jack Reacher: Sem Retorno
 
Em Jack Reacher: Sem Retorno teve alguma cena muito complicada de se criar ou filmar?
 
O desafio no caso desse filme é inventar uma espécie de identidade de luta e estilo para cada personagem, como o assassino vivido por Patrick Heusinger. É preciso elaborar algo diferente para os personagens não ficarem iguais e só parecer que estão dando socos e chutes. Então é preciso criar um estilo para cada um deles e essa diferença ser bem visível em cena. E isso também vale para a forma como andam ou correm numa perseguição.
 
É incrível como Tom Cruise realiza tão bem as cenas de ação. Às vezes é inacreditável... Qual foi sua primeira impressão quando começou a trabalhar com ele?
 
Tom é demais. Super profissional. A atuação dele fala por si só. Está sempre disposto a trazer algo a mais para sua interpretação. Além disso, Tom é um ótimo atleta. É capaz de fazer de tudo. Ele sempre quer fazer todas as cenas arriscadas. Então dedica muito tempo para treinar, como se fosse um atleta, e estar preparado para tudo.
 
                 Eastwood e Cruise na preparação para a sequência de abertura de Missão Impossível - Nação Secreta
 
Deve até ser frustrante você querer fazer uma cena mais arriscada e Cruise chega e diz que ele mesmo vai fazer a sequência...
 
Com certeza, mas tudo bem (risos). No fim o público quer ver Tom fazendo as cenas de ação. Ele treina, aprende e executa as sequências. Se tem algo que Tom tem dificuldade em realizar, ele treina até conseguir. É incrível.
 
Mudando um pouco de assunto, fale um pouco sobre o desafio de criar cenas de ação numa era de filmes de super-heróis.
 
Eu trabalhei em X-Men: O Confronto Final, mas filmes de super-heróis não são muito a minha praia. Parece que as lutas são sempre iguais. Não dá pra saber que filme está vendo, tudo é muito semelhante: a pose e o jeito de lutar dos personagens... Não dá para você se conectar com eles por meio da ação.
 
Filmes de super-heróis têm tantos efeitos visuais e os personagens realizam coisas irreais. O legal nos filmes do Tom Cruise é que os efeitos visuais só entram quando realmente são necessários. As cenas de ação e as lutas que ele encena são reais. Ele fica do lado de fora de um avião e ele é quem faz as manobras numa perseguição de carro ou pula de um prédio.
 
Pra terminar, eu gostaria de saber quem venceria numa luta entre Jack Reacher e Ethan Hunt.
 
Uau! Não sei (risos)... Seria uma luta bem dura. Jack Reacher tem mais habilidade que Ethan. Mas geralmente Ethan tem mais sorte na hora de resolver as situações... então sinceramente não sei (risos). 
 
Aproveite e confira Eastwood nos bastidores de Jack Reacher: Sem Retorno:
 
 
Veja também o coordenador de dublês em vídeo das filmagens de Missão Impossível - Nação Secreta:
 
 
Por Vanessa Wohrnath 

Comentários (0)





Nenhum comentário, ainda. Seja o primeiro a comentar!