Crítica | Coisa Mais Linda 2: as mulheres que vieram antes de nós

Publicada em 24/07/2020 às 19:30

Comente

Foto: Divulgação/Netflix Brasil

Após ser deixada pelo marido, Malu (Maria Casadevall) deu a volta por cima e abriu um clube de música no Rio de Janeiro junto com Adélia (Pathy Dejesus). No entanto, uma tragédia põe tudo a perder na noite da virada para 1960. Depois do trauma, elas precisam retomar suas vidas e conquistar o clube de volta.

Produzida pela Netflix, a série foi lançada no início de 2019 e recebeu elogios positivos pela qualidade, tendo em vista que séries brasileiras ainda são minoria na plataforma. Meses depois, estreou a segunda temporada, no dia 19 de junho de 2020. Para entender a evolução da série, é preciso comentar brevemente a respeito da temporada anterior e todo o universo que fomos apresentados.

Foto: Divulgação/Netflix Brasil

Uma história super cativante formada por mulheres fortes de diferentes realidades. A 1ª temporada de Coisa Mais Linda tem um foco maior em Malu e foi criticada por possuir muitas frases de efeito e situações um tanto improváveis. De fato, há exagero em certos diálogos e resoluções de trama, mas a temporada é responsável ao abordar assuntos extremamente importantes como racismo, desigualdade de gênero e violência doméstica. Além disso, também tem um visual incrível com cenografia, figurinos e fotografia super bem pensados. 

Seguindo a reta do crescimento, a nova temporada só subiu o nível da produção. Histórias secundárias tão bem abordadas quanto as aventuras dos protagonistas deram uma base completa para a série, além de ótimas conexões entre os dramas familiares e amorosos.

Foto: Divulgação/Netflix Brasil

A jornada da 2ª temporada fala sobre o recomeço das amigas após a morte de Lígia (Fernanda Vasconcellos) por feminicídio e a dolorosa busca por justiça. A trama se passa em 1960, mas parece uma tragédia atual que passaria no jornal da noite. Coisa Mais Linda é uma série sobre o antes que se relaciona muito com o agora, além de homenagear a força das mulheres e a cultura brasileira.

A nova temporada soube explorar e equilibrar o drama e a comédia, caminho já traçado pela primeira e muito aprimorado agora que o público já têm simpatia pelos personagens. Enquanto temos a luta por justiça de um crime violento, há momentos de felicidade genuína e romances intensos.

O roteiro é muito inteligente em criar uma relação de empatia com o público. É quase impossível não amar a maioria dos personagens porque são todos muito bem conduzidos pela narrativa. A direção, a fotografia, os figurinos e a ambientação continuam impecáveis e mostram um trabalho primoroso dentro dos recursos do audiovisual brasileiro. 

Em suma, a 2ª temporada de Coisa Mais Linda só aumentou a força da série. Discussões importantes e reflexões poderosas combinadas com muita música, amor e desejo de mudança. Uma história divertida e relevante sobre as mulheres incríveis que vieram antes de nós.

Por Samanta Renck de Carvalho


Mais matérias...

Comentários (2)





Maria Saltiél comentou: Amei a critica,

Com certeza vou arrumar um tempo para assistir também.
Responder

Maria Saltiél comentou: adorei a critica, com certeza vou assistir.

Obrigada!
Responder